A menina do capuz vermelho


 A menina do capuz vermelho,
Trazendo uma encomenda      
Encurtando a história,
Fronte conhecida...

Acho que caiu a ficha,
Sabem de quem falo
Na emoção da estrada,
Com adrenalina nas veias...

Deveras mente, não resumi-la
A qualquer ser,
A qualquer do eu,
Nasce flor vermelha
Para que linda cresceu...

A história resume-se a uma menina,
Com seu capuz vermelho,
Que sai da casa de sua mãe
Pega o caminho errado,
Longínquo encurtado,
Amor mal-amado...


O lobo interferiu,
A dor em mim se partiu,
Na menina do capuz,
Vermelho paixão..

Sacana vem o lobo,
Carne humana, seu interesse,
Demonstra-o sem censura,
Amargura, loucura...

Nesse processo de demora,
Que a menina que,
Fronte menina, fronte senhora,
Divina, com seus capuzes,
Da cor da paixão...

O lobo que vidas rompeu,
Romperá mais uma vida,
Tornando-lhe  fronte partida
Por um desejo infantil...

No cantil de amor,
Que e ‘inda resta naquele coração,
Vai o lobo desmascarando-se,
Sanguinariamente,
Solitário, entristecido,
Com vidas partindo
Por diversão

E o resto dos seus dias,
Trancado numa cela,
Como um sujo criminoso,
Chora ela, a menina do capuz vermelho...

Nobre injustiçada,
Sonhando,
Mal amada...
Sai do solo quando pensa,
Que sua vida quase se foi,
Por causa de um lobo...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogo de politica

Doses de poesia

Palavra Solta - preciso de palavra sem voz