Interdição

Ao deitar-me na cama antes de dormir
fecho meus olhos e reflito...

Pensei em interditar meu coração
nele só transitará sangue e todos os nutrientes
que ele bombeia para o resto do corpo
deixarei transitar também solidariedade
e o amor fraternal

Mas meu amor por tí não deixarei passar
pois ele me faz sofrer,
meu coração fica pesado com isso
e maldito é o cupido
de ter errado a flechada

Carrego agora
um fardo emocional muito grande
sou um anão e você é gigante
que tenho que derrotar a cada anoitecer

Minha visão fica turva
meu olhos tornam-se nuvems
e as lágrimas águas de chuva
onde o travesseiro as apara sem reclamar

Sinto muito...
mas tenho que meu coração interditar
para que ao anoitecer
eu não venha sofrer,
no travesseiro gritar, não chorar
não te amar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogo de politica

Doses de poesia

Palavra Solta - preciso de palavra sem voz