Agora... Um poema fúnebre e alegre.

Aprendi que a morte não bate na porta. 
E não tem hora pra chegar. 
Foi numa noite chuvosa. 
Que vi o fio da meada cortar. 

Era uma loucura. 
Tudo num turbilhão. 
As emoções em figuras. 
Rostos de desconsolação. 

O que pudemos fazer, fizemos. 
O nosso melhor. 
Eu o amava, e só de querer... Enchia três baldes num só.

Tudo estava a flor da pele, tudo bem inseguro. 
Todos mudos. Todos surdos.
Só haviam dores e vultos. 
Já não eram pessoas, talvez fossem sombras. 
E o inconsciente me domava, me preenchia, me desejava, borbulhava...
Não quero entrar nessa história! Só ficar a espreita. Quietinha.. 

Tarde demais! A história já está em mim.
Meu meu meu meu,  e se foi.... 
Não mais meu. Só de Deus. 
Se foi. Sorriu. Não mais as dores. Adeus, sofrimento. Adeus. Eu os amo.

Eternamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Doses de poesia

Jogo de politica

Liberdade x Responsabilidade