Atleta.... só que da morte

Correr. Correr.

Eu só penso em correr desse lugar. 
Correr dessas pessoas. 
Correr dele. 

Ele me machucou, cravou um punhal no meu peito, pisou nele e riu de escárnio da morte onipresente. Eu corro pelas ruas em meio aos carros.

Loucamente.

Fugindo dele. 
Mas, preparando aqui dentro de mim minha vingança. 
Treino em meio aos choros e lágrimas: minha risada maligna e de escárnio de tal vida. 

Quando eu arrancá-la

 o show se iniciará.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogo de politica

Doses de poesia

Palavra Solta - preciso de palavra sem voz