Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

Respeito

Nessa imensidão, 
Há espaço pra todos nós, 
Temos que ouvir a voz, 
Da cor, da religião, 
E da preferência sexual, 
Porque há só um canal, 
Para as chegadas e partidas, 
E esse, se chama vida... 
E pra ela, tudo é igual.

Rebeca Lima

Stay

Audácia
fruto de um personagem que mora à espreita do meu peito
tornou-me poeta
O verme-racional desta carne-seca-amarelada
pôs-se à terra de joelhos
a fim de isolar-se do eu-lírico
Nasce dele
o personagem poeta assumindo com maestria
da terra podre e vazia
a necessidade de pôr-me entre espaços e palavras
umas ambíguas
outras vestígios do verme que
INSISTE em dar razão à minha existência
Como
Tu
Ousas
A
Metralhar
TEORIAS
e
MAIS TEORIAS
no próprio peito?!
Se dele
nasci para que entendas que eu existo e não preciso de um porquê
VERME!
Não sou parte de uma esquizofrenia paranóica!
D.e.c.i.f.r.a-m.e.
ou
d.e.v.o.r.o-t.e.
Vivo entrelaçado
distorcido
destroçado
à janela que criaste e que na qual
apenas um
por amor ao verme
enxerga teus erros paradoxais
MiNh'AlMa PaRtE
aOs RaIoS tOrTuOsOs
ViNdOs Do OuTrO lAdO
aO pRóPrIo CoRaÇãO
Neste lado
no pequeno espaço que nos separa do real e ficção
as madrugadas trazem a linguagem do universo
A linguagem que preenche o poeta do verme-racional.

Coragem

Imagem
Antes, umas palavras do autor: E aqui temos o segundo Tautograma. Estou pensando seriamente em passar a trazer dessa forma os poemas curtos para o blog, em forma de imagens como essa. Sem falar que temos preparado outros tipus de publicações em imagem, mas não nesse formato. Em breve vocês terão mais novidades, fiquem ligados.


Aproveitem


Levei

Imagem
Antes, umas palavras do autor: Um tempo atrás, enquanto trocávamos mensagens, Rebeca me faz a seguinte pergunta: O que é tautograma? Nenhum dos dois sabia, e recorrendo ao "pai dos burros" (Google) descobrimos que tautogramas são poemas em que todas as palavras começam com a mesma letra. Não é preciso dizer que logo em seguida começamos a fazer tautogramas, e que acabamos viciando, não é mesmo?  Hoje e amanhã vou publicar dois tautogramas que fiz nesse deslumbre da descoberta, começando por "Levei", o que mais gostei dos que fiz. E encerrando, já convido a Rebeca a publicar também os tautogramas que fez, eaos leitores também, que façam, e publiquem nos comentários.

Aproveitem.

Capitão Devaneio

Espio a vida com retas, lado a lado, aos olhos Os dias são tormentas
As noites são incógnitas 
Permaneço em pé
sobre os dejetos de incertezas e medos que me levam aos Devaneios
Por que, Deus,
criaste esses seres que tomam a vida de seu destino?
Por que
conto os ciclos intermináveis de silêncio e angústias que me varrem ao vazio?
Meu canto não correspondido
Minhas lágrimas que caem e desaparecem com a rasteira do invisível tornando passado...
tornando histórias abruptas levadas aos sopros mundo afora
Sou, senão, um enfeite à porta; aquele que não deu certo e, ainda assim, permanece aqui.
Esquecido
Guardo um pouco de mim no próprio peito
Sou aquele pobre azul que devaneia cortar o vento,
atravessar os mares e,
por um instante,
acredito ser...
Os Devaneios aliviam e me alimentam com sonhos e esperanças e, quando a fome grita, eles também trazem de volta ao peito
o pobre Azul às retas.
"FIQUE AÍ!"
Enquanto eu estiver aqui,
estarei bem.
Me entreguei à loucura...

x

Eu tô fugindo da poesia. Tô fugindo do desencontro entre as palavras. Tô fugindo do caos que, desordenado, golpeia os sentimentos. Confusos. Eu tô fugindo da poesia. Tô fugindo porque ela não me basta. Eu fujo pois sou nada. Eu fujo por ser um homem sujo e que não entende os motivos de ser eleito. Não entendo. Não. Não. Não. Fujo.

pt. II

A poesia me desperta. Raiva. Tristeza. A poesia desperta o homem tolo que acredita na própria fraqueza. Desperta. Esperta. A poesia esperta desperta o desespero do pobre garoto. Ela causa saudade. Causa vazio. Vazio do Eu. Eu. Eu. Esperta na desperta do louco que habita o não poeta que é poeta. O louco que enxerga as verdades do mundo em todos os seus planos. A poesia desperta. Desperta. A dor. A existência. Espera. Desperta.

pt. III

A poesia que me destrói 
Corrói e ao mundo 
espalha fragmentos infinitos de si. A poesia que, outrora, desmontou-me, retornou à mim através do beijo invisível desse mundo cruel. Perverso. O mundo que t…

Noite adentro (ou Samba da madrugada)

Antes, umas palavras do autor: Esses tempos, os meus textos tem saído na madrugada. quando já estou deitado para dormir. Nessas horas, simplesmente pego o celular, abro o aplicativo de notas e começo a rascunhar o que me vem a cabeça, e se o sono não for muito, já procuro deixar o texto em sua versão final. Os versos a seguir, apesar de formar um poema curto, levou bastante tempo para ser feito, sendo que uma das maiores dificuldades foi dar nome. Acabei dando dois, é o primeiro text meu a conseguir isso. O primeiro e principal, "Noite a dentro", eu dei por que toda vez que leio esse poema, imagino que aconteça numa madrugada, noite a dentro. O segundo nome, "Samba da madrugada", também tem relação com a leitura dos versos, que sempre faço em ritmo de samba. E justamente o segundo nome desse poema me dá sensação de que em uma madrugada qualquer eu volto a ele e termino esse samba...

Aproveitem.
Noite adentro
(ou Samba da madrugada)

Deixa eu, Com meus pensamentos e …

Os muros se levantam

Não poderemos comprar 
Não poderemos plantar 
Não poderemos colher 
Não poderemos falar ou chorar 

Manipulam grosseiramente 
Os cérebros doentios 
Os ''intelectuais'' dementes 
E doídos estão os estômagos vazios 

Abram as valas aos indigentes 
Surrupiem o ouro negro 
Enterrem os tais dementes 
Alvejem as crianças inocentes 

Jatos da mais límpida água 
Desperdiçados, defronte aos rios que seus gemidos deságua 
Eles têm sede de novos horizontes 

Eu choro a gota que sobrou de um rio morto, como o mar 
Eu choro sem falar do que acabou! 
Choro a dor de um olhar 
Grito enquanto posso esbravejar 
E vem o choro do medo a ralhar com minhas angústias sem lar.


Rebeca Lima

Versos de Desabafo

Olha, com todo o respeito,
talvez nem tanto respeito assim...
O texto é meu.
E eu não vou seguir as suas regras.Ora essa,
sou eu quem sei!
Sim,
sou eu quem sei onde cada letra vai.Só eu sei a cadência,
o ritmo,
o respirar.
Então...
Não se atreva a opinar!Só se eu te procurar.

O Sol vai surgir

Palavras do autor Já faz bastante tempo desde que publiquei pela última vez no Turma de Escritores,  olha que teve quem me cobrasse. Uma coisa que ouvi bastante esses tempos foi "Quando vai postar no Turma de novo?'', isso de Rebeca, dos meus pais, dos membros que saíram, e dos que entraram nesse período que estive sem postar.

Durante esse meu período fora, recrutei alguns escritores novos, trouxe de volta alguns velhos, e tomei decisões importantes sobre o blog nesse tempo. Mas, claro que não deixei de escrever. Nos próximos dias, semamas e meses, vão chegar aqui neste blog novos textos meus, e se possível, algumas novidades do blog também.

Sei que já disse isso aos leitores outras vezes, mas tenham fé no que vou dizer: O Turma de Escritores voltou!

E não menos importante, EU voltei.

Fiquem com a minha última poesia, de acordo com o horário que estou postando isso, ela tem menos de 24h de vida ainda.

Poesia O Sol vai surgir
Que falta me faz a graça do verde. A sombra cla…