Poesia suicida

O que me matou não foi
a bala
foram as palavras que me abalaram

o que me matou foi a palavra

o que me abalou foi quando
falaram que meu amigos eram falsos
mas só me percebiam nos momentos de embaraços
nunca presenciaram os abraços
nem os laços que nós criamos

o que me matou
não foi meu coração mendigo
que sempre buscava abrigo
nos braços de outra pessoa
o que me matou foram
as palavras de uma pessoa
que acha que quando fala
a voz ecoa
e todos devem ouvir

o que me matou não foram as vozes
na minha cabeça
porque elas eu suportava

o que me matou, foi a palavra

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogo de politica

Doses de poesia

Palavra Solta - preciso de palavra sem voz