Postagens

Mostrando postagens de 2018

INEXATO

sentado
mão na testa
braços em angulo reto
pensando na vida torta
sem progressão geométrica
de sua grandezas proporcionais
refletindo na imagem de uma análise combinatória
calculando as probabilidades
querendo resolver tudo mas péssimo em matemática

olhares

Esses olhos encarnados falsamente tachados de chapados são frutos de um semáforo que nunca sai do vermelho corpo desgraçado inimigo do espelho falsifico o bom humor e aqui no meu interior sentimentos tipo elevador só quero relevar a dor

O conselho que ela me dá é pra não se importar bem, todos se importam por um instante nem que seja milésimos de segundo o ataque é profundo nervos, coração tudo fica tenso no meu mundo te daria um beijo te contaria no ouvido meus desejos
além do anseio por teus seios e acariciar seus cabelos
daria tudo pra não perceber que todos riem de mim quando sento com você
O que tu quer fazer com a sua arte? 
Um circo? um disco? 
Um discurso pra um futuro confisco? 
Um arrancamento de riso? 
Ou um choro preciso ? 
Seja o que for, faça isso.

leave me alone

As palavras podem ser fofas
mas também podem doer
Guardamos frases que machucam
as vezes sem querer fazemos-as nascer com uma ciência pobre
há gente insalubre
que em outras vidas
insiste em se intrometer Já sei ler meus pensamentos,
escrever o meu viver
controlar meus sentimentos
não preciso de você Consciência nômade
conselheiro voluntário ambulante
não preciso de você só me deixe sobreviver, SÓ

Devaneios

O cinzeiro cheio,
A garrafa já vazia.
A sanidade borboleteava
Naquela noite fria.

A dor que ali jazia
Voltava e doía,
E como sempre,
Doía como nunca.

Como podia?
Logo naquela noite,
Naquele dia...
Parece tudo se perdia.

Todavia,
A melancolia
Me levou á via
Dessa poesia.


Rebeca Lima

A lei do retorno

Quem quer o sorriso receber, 
O sorrindo vai ter que dar, 
Não tem água doce pra beber, 
Quem só dá a água do mar...

Quem quer a paz sempre colher, 
Nunca faz o outro chorar, 
Pois se recebe o que se dá, 
É uma lição pra se aprender.

Porque a vida é sem adorno,
E não se foge do retorno, 
Seja ele de onde for... 
Quem dá flores, irá colher flores, 
E ao contrário, virá dores,
Pois foi só isso que plantou.


Rebeca Lima