Devaneios

O cinzeiro cheio,
A garrafa já vazia.
A sanidade borboleteava
Naquela noite fria.

A dor que ali jazia
Voltava e doía,
E como sempre,
Doía como nunca.

Como podia?
Logo naquela noite,
Naquele dia...
Parece tudo se perdia.

Todavia,
A melancolia
Me levou á via
Dessa poesia.


Rebeca Lima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jogo de politica

Doses de poesia

Palavra Solta - preciso de palavra sem voz